Ford GT

  • Ford Performance disponibilizará o novo Ford GT durante mais dois anos de produção, aumentando o compromisso de produção do supercarro em fibra de carbono para um total de quatro anos
  • Potenciais clientes já inscritos para a compra do Ford GT necessitarão apenas de actualizar o seu pedido quando reabrir a próxima candidatura online no início de 2018
  • Produção adicional vem na sequência da decisão da Ford Performance de competir com o Ford GT nos campeonatos IMSA e World Endurance Championship (WEC) durante quatro anos

Os candidatos e fãs do Ford GT podem alegrar-se uma vez que a Ford Performance adicionou mais dois anos de produção para o novo supercarro em fibra de carbono. O anúncio vem na sequência das cartas enviadas aos potenciais clientes notificando-os da sua posição relativa à candidatura para compra do carro.

A produção adicional apoia a decisão recente da divisão Ford Performance de competir com o Ford GT nas provas de ambos os campeonatos IMSA e World Endurance Championship (WEC) durante quatro anos.

“Embora não possamos construir suficientes Ford GT para todos os que se candidataram, vamos produzir veículos adicionais num esforço para satisfazer um maior número dos nossos mais fiéis embaixadores Ford”, disse Dave Pericak, director global, Ford Performance.

“Queremos manter o Ford GT exclusivo, mas ao mesmo tempo sabemos o quão vital este cliente é para a nossa marca.” O terceiro ano será para responder aos candidatos que foram colocados em lista de espera. Os candidatos que foram diferidos ou os que falharam o período de candidatura online serão servidos pelo quarto ano de produção. O processo de candidaturas para o quarto ano de produção será reaberto no início de 2018. Os que já se encontram inscritos para adquirirem o carro necessitam apenas de actualizar o seu pedido.

“O Ford GT tem as corridas no seu sangue,” afirmou Raj Nair, vice-presidente executivo da Ford de desenvolvimento de produto e responsável técnico. “O carro de estrada e de competição irão coexistir, lado-a-lado, durante os próximos quatro anos, proporcionando ampla oportunidade para testar e comprovar novas e inovadoras tecnologias, quer dentro como fora dos circuitos.”